Publicações

Brasil terá norma técnica para pellets de madeira

30/10/2019

Outubro/2019

A partir do trabalho de articulação e representação institucional, a Associação Brasileira da Indústria de Madeira Processada Mecanicamente (Abimci) obteve a aprovação da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) para a instalação da Comissão de Estudos (CE) para o desenvolvimento da norma técnica de pellets. A  CEE-242 passa a ser o fórum oficial de discussão de todas as partes interessadas no tema – representantes de universidades, laboratórios, institutos de pesquisas, órgãos do governo, produtores e consumidores.

A ação vem pouco tempo após a criação do Comitê de Pellets e Biomassa na estrutura organizacional da Abimci, reafirmando o compromisso da associação em colocar em prática iniciativas que atendam as demandas apresentadas pelas empresas associadas. A Abimci, é a entidade gestora do CB-31 (Comitê Brasileira de Madeira da ABNT), responsável pela elaboração das normas técnicas do setor de madeira, e terá um papel fundamental neste trabalho, que começa com o desenvolvimento do projeto de norma, que posteriormente passa por uma consulta nacional e a análise de comentários. Somente depois disso a norma pode ser validada e publicada pela ABNT.

O objetivo desse trabalho é desenvolver uma norma técnica para pellets produzidos com resíduos de madeira, entre outras matérias-primas, e a aplicação como biomassa, no que se refere à terminologia, classificação, requisitos, métodos de ensaio e generalidades. Com excelente grau de envolvimento e contribuições das empresas produtoras, a primeira reunião da Comissão de Estudos deve acontecer ainda este ano.

A criação da CE vem ao encontro de um momento positivo para o segmento. O crescente uso no mercado interno de pellets como uma alternativa sustentável para geração de energia no Brasil se mostra uma janela de oportunidade para as empresas. O mercado está em franca expansão, com aumento da capacidade instalada e de novos investimentos fabris, o que justifica a definição de padrões de qualidade técnica para atender as diferentes demandas de uso dos produtos. O agronegócio é o principal mercado de pellets, principalmente a avicultura. Em 2018, estima-se que a produção de pellets no Brasil tenha atingido 506 mil toneladas. Entre 2012-18, a produção nacional cresceu 43,9% ao ano, resultado do aumento das importações por parte de países europeus e asiáticos do produto brasileiro, além do aumento do consumo interno. Atualmente, as indústrias brasileiras que exportam pellets seguem parâmetros de legislações europeias e americanas.

Essa ação será um passo importante para o desenvolvimento e a consolidação do segmento de pellets no Brasil. Um marco significativo para a melhoria da qualidade dos produtos e o desenvolvimento técnico da indústria brasileira.

Para conhecimento, as demais Comissões de Estudos que atualmente compõem o CB-31 são Madeira Serrada, Chapas de Madeira Compensada, Painéis de Fibra de Madeira, Madeira para Carretéis, Mourões de Madeira Preservada, Portas de Madeira, Pisos de Madeira Maciça, Madeira Tratada, Preservação de Madeira, Cruzeta Roliça de Eucalipto Tratado, Postes de Eucalipto Preservado, Painéis de Partículas de Madeira e Chapa Dura de Fibra de Madeira.

Para acompanhar o andamento desse trabalho e participar das Comissões é necessário entrar em contato pelo e-mail cb31@abnt.org.br.

 

Paulo Pupo, superintendente da Associação Brasileira da Indústria de Madeira Processada Mecanicamente (Abimci)