Notícias

Abimci realiza reunião plenária presencial e reúne mais de 70 associados

Notícias

10/12/2021

Depois de dois anos sem encontros presenciais, a Abimci realizou, nesta quinta-feira (09), sua reunião plenária de encerramento do ano, reunindo mais de 70 associados e entidades convidadas: a Embrapa Florestas, as duas associações de produtores de florestas plantadas do sul do país, Apre (Associação Paranaense de Empresas de Base Florestal) e ACR (Associação Catarinense de Empresas Florestais); a Abimóvel (Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário) e Anapem (Associação Nacional dos Produtores de Paletes e Embalagens de Madeira).

O presidente da Abimci, Juliano Vieira de Araujo, abriu o evento, comemorando o reencontro com os empresários do setor de madeira processada e base florestal. “Ficamos praticamente dois anos realizando apenas reuniões online. Não prevíamos, mas tivemos uma agenda muito agitada, desenvolvemos um amplo trabalho com o Comitês de Produtos. Mesmo com a facilidade que o online nos proporcionou, estamos muito felizes em rever os associados e apresentar os projetos que estamos desenvolvendo e os programados para 2022, em especial, os 50 anos da Abimci”, afirmou.

A abertura da reunião plenária contou também com as palavras do presidente da FIEP, Carlos Walter. “Quero afirmar a minha satisfação em ver representantes da indústria utilizando o nosso espaço, afinal esta estrutura é de vocês. Além disto, destaco a importância do papel das associações nacionais, afinal são elas que apresentam a importância do setor para o Brasil, defende os seus interesses e pautas específicas. Nós da Federação da Indústrias, CNI (Confederação Nacional da Indústria) nem sempre conseguimos realizar os pleitos de forma tão específica porque temos as pautas de todos os segmentos industriais, é aí que entra a importância da associação setorial nacional como a Abimci”, afirmou.

Na sequência, ocorreu uma apresentação institucional da Abimci, onde o superintendente Paulo Pupo, detalhou a atual estrutura organizacional da entidade e as principais agendas que estão sendo trabalhadas. Ele também falou sobre a agenda para 2022. “O próximo ano será movimentado. Teremos a Semana Internacional da Madeira com o Wood Trade Brazil e Encapp (Encontro da Cadeia Produtiva da Porta), dois eventos com DNA madeireiro que tem realização da Abimci; o lançamento do Estudo Setorial; as constantes reuniões e agendas dos Comitês; incrementos nas ações de comunicação; e, é claro, a comemoração dos 50 anos da Abimci”, contou.

Ainda atualizando os presentes sobre o atual momento da Abimci, a gerente técnica, Dayane Potulski, falou sobre a gestão do Comitê Brasileiro de Madeira da ABNT (CB-031) pela Associação, as publicações das normas que ocorreram em 2021 e também sobre as que serão publicadas em breve. Ela também destacou os programas de certificação coordenados pela Abimci. “Há mais de 20 anos temos o PNQM (Programa Nacional de Qualidade da Madeira), ferramenta que serve como base para as certificações CE e UKCA Marking, além é claro, do PSQ-PME, nosso programa setorial de qualidade para portas de madeira para edificações”, detalhou.

As informações sobre a Abimci foram encerradas com a explanação sobre o novo momento da comunicação. “A comemoração dos 50 anos da Abimci dá embasamento para diversas ações, entre elas, o rebranding do nosso logotipo, o reposicionamento da marca, a construção de um novo site e uma festa comemorativa”, contou a coordenadora de comunicação da Abimci, Giovana Massetto.

A apresentação foi finalizada com um vídeo manifesto que posiciona a importância da madeira para a Abimci.

Palestras

Os presentes assistiram uma apresentação do coordenador-geral de fomento e inclusão florestal do SFB (Serviço Florestal Brasileiro) – Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), Fernando Castanheira Neto. Ele falou sobre as perspectivas do SFB para o incremento de florestas plantadas, destacando os instrumentos econômicos e financeiros para o desenvolvimento florestal. Além disto, detalhou a estruturação de uma estratégia de ação para implementação do Plano Nacional de Desenvolvimento de Florestas Plantadas. “O setor precisa se apropriar das oportunidades e conquistas que está alcançando. Estamos vivendo um momento único para a política florestal, assim como o próprio setor. Devemos aproveitá-lo e mostrar as nossas conquistas institucionais”, afirmou.

A manhã foi encerrada com a fala do jornalista, ganhador quatro vezes do prêmio Esso de jornalismo e apresentador do programa Os Pingos nos Is da Rede Jovem Pan, Augusto Nunes. Navegando sobre diversas temáticas, Augusto teceu seus clássicos comentários ácidos e análises ponderadas em temas que foram desde a pandemia até o atual momento político do país. Ele também comentou sobre a oportunidade de falar com os empresários do setor industrial madeireiro. “Eu gosto de estar perto das pessoas que pagam a conta, escutá-las e aprender com elas”, disse.

Análise dos Associados     

Os mais de 70 associados presentes na reunião plenária aproveitaram o momento para trocar informações e avaliar o atual momento do mercado. Os mais de 70 associados presentes na reunião plenária aproveitaram o momento para trocar informações e avaliar o atual momento do mercado. Na avaliação do presidente da Abimci, este é um dos principais objetivos das reuniões presenciais. “Foi muito bom ver todos reunidos novamente. Isto só reforça a importância da união de esforços que precisa balizar sempre as nossas ações em prol do setor”, avaliou Juliano.

Para o vice-presidente e coordenador do Comitê de Molduras, Armando Giacomet, o setor está vivendo um momento muito oportuno. “Observamos uma mudança de realidade no setor de base florestal brasileiro. Já existem iniciativas de outros estados para a criação e programas florestais para estímulo e revisão da imagem do setor florestal. Precisamos otimizar as pequenas, médias e grandes propriedades, mesmo as que são voltadas para a agricultura e que possuem parte das suas áreas sem uso, para o plantio de espécies florestais, agregando assim valor às propriedades”, defendeu. Ele complementou falando sobre a importância do trabalho conjunto das entidades. “A união das entidades como, Abimci, Embrapa Florestas, Governos Estaduais, secretarias de agricultura estaduais para a produção de uma cartilha educativa para recuperar a imagem do setor florestal e madeireiro é essencial para atrairmos novamente investimentos para esta área”, concluiu.

O coordenador do Comitê de PMVA (Produtos de Maior Valor Agregado e Madeira de Pinus), Daniel Woiski, também analisou o momento positivo que o setor vive frente ao Governo Federal. “É muito bom saber que existe uma política dentro do Governo sendo desenvolvida, que temos acessos as pessoas que trabalham diretamente com os projetos e que existe futuro, se houver um pouco de vontade política para que eles comecem a caminhar. Saio deste evento muito mais animado para o próximo ano”, avaliou.

A Abimóvel (Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário) foi uma das entidades presentes na reunião. Para o presidente eleito para a gestão 2022/2024, Irineu Munhoz, a participação foi gratificante. “Pude ver a união que o setor tem, a participação dos associados e os números do mercado. Espero que no próximo ano possamos estar juntos trabalhando em conjunto e trocando sinergia. Com certeza vamos iniciar um ano com novas perspectivas”, finalizou.